fbpx

Leishmaniose felina: tudo sobre essa doença

5 motivos para castrar seu gato
5 motivos para castrar seu gato
25 janeiro, 2021
Nomes de gatos: os mais comuns no Brasil
Nomes de gatos: os mais comuns no Brasil
25 fevereiro, 2021
Leishmaniose felina: tudo sobre essa doença

A leishmaniose é classificada como uma zoonose e pode atingir tanto animais quanto humanos. Na maioria dos casos, os cachorros são os que mais sofrem com a doença, mas ela pode também afetar outros animais, como os felinos. 

Pets que sofrem de doenças como imunodeficiência felina ou a toxoplasmose tem mais probabilidade de contrair a leishmaniose felina, já que elas minimizam a eficácia do sistema imunológico do animal. 

Confira abaixo a forma de transmissão e os sintomas que podem indicar que seu pet está doente.

Leishmaniose felina: sintomas e diagnóstico 

  • Anemia 
  • Sangramento nasal 
  • Lesões cutâneas 
  • Emagrecimento 
  • Lesões oculares, como conjuntivite 
  • Úlceras

Ficar atento é imprescindível, já que os animais se comunicam através da linguagem corporal

Para o diagnóstico da doença, o médico veterinário solicitará exames sorológicos e tomará medidas que ajudem a melhorar a qualidade de vida do gato, inibindo os sintomas clínicos da doença.

Transmissão

A leishmaniose em gatos é transmitida a partir da picada do mosquito palha. Para que ocorra a transmissão, o mosquito precisa adquirir a doença, e a partir de então, ele poderá transmitir para animais saudáveis.

Como a leishmaniose é uma zoonose, a doença pode contaminar tanto animais quanto humanos. Isso não significa que ela é uma enfermidade contagiosa: especialistas explicam que por ser uma doença que raramente ocorre nos bichanos, a leishmaniose felina apresenta poucos riscos para humanos.

Tratamento

Infelizmente os gatos não contam com uma vacina para a doença, e ela também não tem cura. Existem apenas tratamentos paliativos para melhorar a qualidade de vida do animal infectado. Por isso, o principal método de prevenção é manter a higiene do ambiente em dia, para que o felino não fique exposto ao vetor.

Lugares onde há muito material acumulado são atrativos para o mosquito-palha, pois é onde ele se reproduz. Sendo assim, os tutores devem evitar a aglomeração de sacos de lixo, entulhos, fezes do animal e outros materiais que possam servir de ninho para o inseto.

Confira nosso blog para conhecer mais dicas e curiosidades sobre a saúde do seu pet!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *